Category: Construction

Brasileiros procuram mercado imobiliário dos Estados Unidos

Segundo levantamento da National Association of Realtors, brasileiros adquiriram US$ 1,6 bilhão em imóveis nos EUA entre abril de 2021 e março de 2022

Em 2021, a quantidade de brasileiros que deixaram o País sem a intenção de voltar foi a maior em 11 anos: dado o prolongamento da pandemia, 17% dos emigrantes não retornaram. O principal destino foi os Estados Unidos. Em 2021 foram 56,9 mil brasileiros detidos por documentação irregular.

Morar e trabalhar nos EUA também era o sonho do paranaense Douglas Strabelli, que desembarcou em Nova York há mais de 20 anos. Hoje, sua empresa, Sagewood Corporation, conta com um portfólio que engloba hotéis, casas de luxo, ações de retrofit e restaurantes. Atuando como construtora e incorporadora, a companhia tem empreendimentos espalhados por todo o país.

Particularidades norte-americanas

O IQ Concept, por exemplo, é um projeto em desenvolvimento em Aventura, cidade no oeste da Flórida que vai englobar um prédio residencial e um condomínio multiuso com proposta multifamily. Propriedades Multifamily são complexos residenciais com diversos apartamentos registrados sobre uma mesma escritura, de forma a possuir apenas um proprietário, seja ele pessoa física ou jurídica.

Esses apartamentos são disponibilizados para aluguel e se tornam uma fonte de renda para o proprietário. Na prática, é uma espécie de investimento que, apesar de não ser tão difundida no Brasil, está consolidada no país norte-americano. De acordo com o mapeamento da CBRE em 2021, a modalidade movimentou US$ 69,3 bilhões em volume global de vendas e US$ 45,5 bilhões em volume global de empréstimos.

Não à toa, a Sagewood Corporation tem a expectativa de que o IQ Concept alcance um Valor Geral de Vendas (VGV) de US$ 250 milhões. E o Brasil deve ter papel fundamental nessa empreitada. “Cerca de 80% dos nossos investidores são brasileiros. Eles enxergam uma oportunidade de diversificação vantajosa nesse tipo de negócio”, contextualiza Strabelli, CEO da empresa.

Consolidando a carteira com o Brasil

O empreendedor confessa que se mudou para os Estados Unidos sem a ambição de enveredar para o mercado imobiliário. Antes, ele vivia na Espanha, onde chegou sem falar o idioma e trabalhava como ajudante de obras. Mais tarde criou sua própria construtora e seis anos depois a vendeu. Resolveu, então, migrar para Nova York. “Queria montar um restaurante, mas depois de três meses vi que meu negócio era outro”, brinca.

“Trabalhei de graça numa empresa de construção por quatro meses. Foi quando me especializei no mercado de luxo americano.” Ele conta que, no início, a maioria dos investidores eram clientes antigos que tinham se relacionado na Espanha, mas com o crescente interesse do público da sua terra-natal, acabou mudando de foco. “O brasileiro começou a entender o mercado e a perceber que não é difícil investir nos Estados Unidos”, afirma.

Douglas Strabelli é CEO da incorporadora e construtora Sagewood Corporation, empresa que foca em brasileiros que desejam investir nos EUA/ Crédito: Igor Coelho- F5 Images

Um dos maiores símbolos dessa participação brasileira foi a construção de um hotel Fasano na Quinta Avenida, em Nova York. Para abrir as portas aos investidores, ele costuma fazer roadshows por aqui. “Só esse ano fui 7 vezes ao Brasil”, comenta. Strabelli argumenta que a maior dificuldade dos investidores e pessoas físicas era encontrar empresas que pudessem ajudá-lo e intermediar esse processo.

Presença brasileira no mercado imobiliário dos Estados Unidos

Os brasileiros compraram US$ 1,6 bilhão em imóveis nos EUA entre abril de 2021 e março de 2022, de acordo com levantamento realizado pela National Association of Realtors. O valor representa 3% dos US$ 59 bilhões em propriedades vendidas para estrangeiros no país e coloca o Brasil na quinta posição entre os países com mais clientes no mercado de imóveis local, atrás apenas de China (US$ 6,1), Canadá (US$ 5,5), Índia (US$ 3,6) e México (US$ 2,9).

Também é de olho nessa fatia do mercado que a corretora de imóveis Yara Gouveia, da Leven Real Estate, procura fazer negócios. Moradora de Nova York, ela atua no setor há mais de 20 anos e conta que a participação brasileira no mercado imobiliário dos Estados Unidos sempre existiu, mas é marcada por altos e baixos. “A gente percebe algumas oscilações que acontecem pela alta de juros ou pelo câmbio”, pontua.

 

“Quando a diferença do dólar para o real era pequena, os brasileiros compravam bastante. O dólar subiu e o mercado sentiu. Nessa época, em Miami, onde a classe média compra mais, [o preço] estava ficando caro e os investidores começaram a vender”, exemplifica. “Durante a pandemia, houve uma nova mudança. E, agora, nesse período de pós-quarentena, o mercado vem se recuperando novamente”, pontua.

A corretora de imóveis Yara Gouveia afirma que observou aumento da procura de brasileiros por imóveis em Nova York nos últimos meses/ Crédito: Sérgio de Souza/ Divulgação

Especializada na venda de imóveis em Nova York e Miami, ela afirma que existem diferenças entre os públicos dessas duas localidades. O brasileiro que compra em NY não tem sensibilidade tão grande ao dólar quanto compradores de Miami, comenta.

Os dois últimos apartamentos que Yara vendeu em Nova York para brasileiros custaram oito e seis milhões de dólares, respectivamente. E ela diz estar observando aumento na busca nos últimos meses. “Acredito que pelo momento político e pelas incertezas de futuro, mais pessoas estão planejando suas vidas aqui. Não apenas para investimentos ou segunda residência, mas para mudança também.”

Oscilações do mercado

Entre abril de 2021 e março de 2022, compradores estrangeiros adquiriram 98.600 propriedades nos Estados Unidos. O valor representa queda de 7,9% em relação ao ano anterior e o menor número de casas compradas desde 2009. Por outro lado, no geral, as vendas de residências existentes nos EUA totalizaram 6,12 milhões em 2021 — o nível anual mais alto desde 2006.

Os preços parecem não ser os mais acessíveis, apesar disso. O comprador típico de uma casa em outubro pagou 77% a mais em seu empréstimo, por mês, do que pagaria no ano passado. Isso ajuda a explicar como a assinatura de contratos residenciais caíram pelo quarto mês consecutivo em setembro, de acordo com a National Association of Realtors.

O corretor de imóveis Frederico Gouveia acredita que esse é o melhor momento para investir no setor imobiliário de Nova York/ Crédito: Sérgio de Souza/ Divulgação

Para se ter uma ideia, em setembro, o termo “U.S. Bolha imobiliária” atingiu a maior alta em 15 anos, de acordo com dados de tendências do Google. Frederico Gouveia, corretor de imóveis que atua em Nova York, acredita que esse cenário pode se traduzir em oportunidades.

“A diminuição no volume de negócios faz com que os proprietários deem uma margem maior para negociação”, argumenta.

“Principalmente empreendimentos novos, que têm bastante estoque, estão com descontos mais altos. É uma chance boa para quem pensa em investir”, adiciona.

“Em 2021, houve grande recuperação na cidade depois da pandemia. Estamos observando uma melhora gradual, tanto no mercado de locação quanto no de venda”, complementa.

O que corrobora a afirmação de Frederico é que no primeiro semestre deste ano, as transações de propriedades comerciais nos Estados Unidos atingiram um recorde de US$ 375,8 bilhões. Fato é que entre prognósticos, altas de juros e perspectivas para o setor imobiliário dos EUA, o mercado imobiliário norte-americano, seja para moradia ou investimento, ainda é um sonho para muitos brasileiros.

Texto: Breno Damascena
Fonte: Estadão Imóveis

 

 

Seu sonho americano começa aqui na Sagewood!

Empresa fundada há duas décadas pelo brasileiro Douglas Strabelli desenvolve mais de 360 projetos no país e planeja expansão.

O mercado imobiliário americano, apesar das oscilações, é um colosso de oportunidades de negócios. Os compradores estrangeiros investiram US$ 59 bilhões em propriedades residenciais nos Estados Unidos entre abril de 2021 e março de 2022. Os dados da National Association of Realtors (Associação Nacional de Corretores de Imóveis, tradução livre) refletem alta de 8,5% na comparação ao intervalo anterior e põem fim a sequência de três anos de queda. 

Fonte: Isto é dinheiro
Confira a edição completa desta matéria aqui.

Um dos homens mais bem-sucedidos da América nunca foi para a faculdade

O empreendedor paranaense Douglas Strabelli já foi mestre de obras.

Hoje, está no comando de um negócio com faturamento anual de 210 milhões de dólares, o equivalente a 1,1 bilhão de reais na cotação atual.

Strabelli é fundador da Sagewood Corporation, incorporadora com base em Nova York e em Miami.

É, também, um exemplo de empreendedor brasileiro que saiu do zero para conquistar uma reputação num dos setores mais disputados do mundo: o mercado de luxo dos Estados Unidos.

Fundada em 2000, como uma recrutadora de mão de obra para pequenas edificações nos subúrbios de Nova York, a Sagewood vem chamando a atenção de brasileiros com muito poder aquisitivo em busca de um investimento em imóveis nos Estados Unidos.

Na lista de obras comandadas pelo time de Strabelli estão:

✔️O prédio do hotel Fasano Fifth Avenue, em Nova York, um empreendimento avaliado em 45 milhões de dólares
✔️Algumas casas de ricaços nos Hamptons, região de aldeias e vilas à beira-mar nos arredores de Nova York.
✔️Uma dessas mansões, com design do italiano Massimo Castagna, um dos principais especialistas em decoração de ambientes no mundo, está avaliada em 40 milhões de dólares.

Fonte: Instagram
Confira o conteúdo completo deste post aqui.

Sem falar inglês, ele trabalhou em canteiros de obras nos EUA. Hoje tem um negócio de R$ 1,1 bi

O paranaense Douglas Strabelli é fundador da Sagewood, incorporadora de imóveis de luxo em Nova York e na Flórida. Em 20 anos, ele saiu do zero para o bilhão.

O empreendedor paranaense Douglas Strabelli já foi mestre de obras. Hoje, está no comando de um negócio com faturamento anual de 210 milhões de dólares, o equivalente a 1,1 bilhão de reais na cotação atual.

Strabelli é fundador da Sagewood Corporation, incorporadora com base em Nova York e em Miami.

Fonte: Exame
Confira a edição dessa matéria completa aqui.

 

Mercado de luxo cresce e não vê crise

São carros que custam mais do que uma casa. Casas que custam o preço de um prédio inteiro de apartamentos. Vamos agora entrar num mundo para lá de exclusivo.

Fonte: Youtube
Confira a edição completa deste vídeo aqui.

Sustentabilidade na construção civil nos EUA

Sustentabilidade é palavra de ordem nos dias de hoje no mundo todo, principalmente no segmento da construção civil. Aqui nos Estados Unidos, onde a Sagewood opera há 20 anos, desde 2005 vemos o mercado da “construção sustentável” crescer.

O país, inclusive, lidera o ranking mundial do Green Building Council (GBC), rede de organizações, presente em 150 países, dedicada a estimular e certificar obras que reduzam o impacto ao meio ambiente, otimizando todos os princípios de reaproveitamento em cada etapa.

Fonte: Revista Ecotour
Confira a edição completa dessa matéria aqui.

Brasileiros elevam interesse por imóveis no Texas, diz consultoria Demanda se diversificou para além dos destinos tradicionais SÃO PAULO


Condomínios de alto padrão no distrito de Brickell, em Miami – Moris Moreno/The New York Times
Para Douglas Strabelli, CEO da Sagewood, especializada em incorporação e construção de imóveis na Flórida, o aquecimento atual na procura por imóveis nos EUA ainda é reflexo do impulso percebido ao longo da pandemia.
Joana Cunha com Paulo Ricardo Martins e Gilmara Santos.

O interesse de brasileiros pelo mercado imobiliários nos Estados Unidos vem se expandindo para além dos destinos tradicionais da Flórida e Nova York, segundo a consultoria BT7 Partners. O número de transações imobiliárias de clientes brasileiros subiu de 98 entre janeiro e maio do ano passado para 126 no mesmo período deste ano, afirma Luis Guilherme Gonçalves, sócio da BT7.
O mercado favorito é a Florida, mas o Texas superou Nova York na comparação entre os dois períodos, segundo Gonçalves.

Fonte: Data Folha

O empresário brasileiro que conquistou o mercado americano de construção de imóveis de luxo

Há 20 anos, o empresário maringaense Douglas Strabelli fundou a Sagewood Corporation, e conquistou o mercado americano de construção de imóveis de luxo. Dito assim pode até parecer fácil, mas chegar ao topo e conquistar o sonho americano exigiu mais que força de vontade.

Fonte: Gazeta do Povo
A edição completa dessa reportagem pode ser acessada aqui.

 

Conheça os desafios de se tornar investidor no mercado imobiliário dos Estados Unidos

Empresário brasileiro dá dicas de como começar a investir em imóveis físicos e fundos imobiliários segmentados, observando a vocação de cada região e sua tributação

Sagewood Corporation celebra os bons lucros em 2021

Parceiros e clientes da Sagewood Corporation prestigiaram o evento de final de ano da empresa realizado no Fasano Fifth Avenue, em Nova Iorque.